Anúncios
está a ler...
Segurança

Borba. Sintomas de uma enfermidade

O dia de ontem encerrou com a notícia de mais uma tragédia. Desta feita, uma derrocada em Borba que arrastou consigo um troço de estrada, provocou a morte a duas pessoas, estando desaparecidas outras três.

Mais uma, porque se vem juntar a um extenso rol. Basta fazer uma retrospetiva histórica até à 2.ª metade do século passado para tropeçarmos nas cheias de 1968, no acidente ferroviário de Alcafache, na Ponte de Entre-os-Rios, nos incêndios florestais (agora rebatizados de rurais), na legionella, na queda da árvore durante as festas da Senhora do Monte na Madeira, e em mais uns quantos outros acontecimentos trágicos, onde se incluem os acidentes rodoviários.

Isto acontece porquê? Porque tal como noutras áreas confiamos demasiado na sorte. Não é por acaso que somos particularmente inclinados para os jogos de fortuna ou azar, sejam eles legais ou ilegais. Daí que nos momentos posteriores a uma tragédia deste género nos refugiemos na incessante busca de um culpado, nos “e se”, em frases lapidares ocas de conteúdo, no anúncio de milhões que tardam ou nunca chegam e de medidas avulsas para fazer eco na imprensa.

Tal como noutros domínios, não falta legislação. Por vezes a sua abundância é tal que surgem os conflitos de competências, pensando uns que os outros fizeram sem que ninguém faça nada, mantendo-se tudo na mesma. No caso em apreço, nos termos do quadro legal em vigor, a gestão da rede rodoviária (construção, renovação, manutenção, conservação, segurança) cabe às Infraestruturas de Portugal, ou então às câmaras municipais. A questão das pedreiras é da esfera do ministério da Economia, do Ambiente e das autarquias. Logo, nesta matéria, não há lugar a grandes dúvidas.

O que falha? A preocupação com dois princípios basilares: a precaução e a prevenção. Ou seja, a atuação a montante. De acordo com o princípio da precaução, nos termos do qual as medidas destinadas a evitar o impacte negativo de uma ação devem ser adotadas, mesmo na ausência de certeza científica da existência de uma relação causa-efeito entre eles. A adoção de uma atitude que presume a ocorrência de algo supostamente danoso, daí o estar alerta ou em guarda, mas sem se ter a certeza ou a prova da concretização desse algo. Por seu turno, o princípio da prevenção determina que as ações com efeitos negativos devem ser consideradas de forma antecipada, por forma a eliminar as próprias causas ou reduzir os seus impactes quando tal não seja possível.

Na mesma linha, o Bastonário da Ordem dos Engenheiros, Mineiro Aires, referiu que esta situação estava identificada pelo menos há quatro anos, tendo acrescentado que existe uma falta de intervenção da engenharia e de ações de prevenção, salientando a importância de se monitorizar e inspecionar os locais, de modo a serem tomadas medidas concretas.

Mineiro Aires, tal como nós, identificou a enfermidade a debelar e a terapêutica adequada. Só que mais uma vez suspeito que em vez de se tratar do problema de fundo, se continue a apostar em paliativos, pondo-se em causa a segurança dos cidadãos, com todos os custos daí decorrentes.

Sousa dos Santos

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Anúncios

WOOK

Anúncios
%d bloggers like this: