está a ler...
droga, Segurança

“O caso da lancha”

ziguezagueNo mesmo dia surgiram três notícias na comunicação social sobre a Guarda Nacional Republicana (GNR) que merecem alguma reflexão. Duas delas sobre o furto de armas em dois Postos do dispositivo territorial desta Força de Segurança e uma outra sobre o furto de uma lancha rápida no Algarve.

No primeiro caso, tanto quanto nos é dado a saber, terão sido furtadas duas armas de serviço, o que terá sido constatado no âmbito de conferências de armamento, as quais podem já estar em circulação no “mercado negro”. Isto porque as armas acima mencionadas são um alvo altamente apetecível para o crime organizado, tanto para utilização como para comercialização. No segundo caso, terá sido furtada uma lancha rápida da UCC/GNR do porto de pesca de Vila Real de Santo António (algumas das imagens utilizadas pela comunicação social remetem de uma forma “desinteressada” para um navio de guerra de grandes dimensões), a qual foi utilizada recentemente numa operação antidroga no Guadiana.

Em qualquer dos casos, urge verificar o que falhou. Acima de tudo, investigar, indagar se foram cumpridas as normas em vigor sobre a matéria, analisá-las para ver se carecem de aperfeiçoamentos, apurar responsabilidades,  e em face disso tomar as medidas preventivas que se considerem adequadas para evitar novos casos. 

Por fim, convém não perder de vista que a capacidade de atuação das estruturas do crime organizado ultrapassa os limites da imaginação (basta ler alguma literatura sobre esta temática para tomar consciência desse facto) e como tal as Forças e Serviços de Segurança têm de estar preparadas para lidar com essa realidade e adaptar-se, sob pena de caírem no descrédito e ao mesmo tempo contribuir para o esgotamento do “discurso de que somos um país seguro.

Sousa dos Santos

__________________________

Adenda

Ao que conta a lancha ‘Alcoutim’ da Unidade de Controlo Costeiro da GNR, furtada na quarta-feira no cais da Docapesca, em Vila Real de Santo António, foi levada por operacionais de uma rede marroquina de tráfico após uma análise de rotinas.

 

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

WOOK

%d bloggers like this: