está a ler...
Segurança

Inquérito sobre segurança

Quando deparamos com determinadas notícias sobre a criminalidade ficamos com diversas dúvidas, nomeadamente:ind

  • Estaremos perante uma excessiva mediatização destes casos?
  • Será que na realidade a nossa sociedade está a ficar mais violenta?
  • Tanto a prevenção (geral e especial) como a reintegração previstas no Código Penal, não estarão a atingir os seus objetivos, tal como toda a parafernália de medidas de prevenção criminal?
  • Para quando a realização de um inquérito de vitimização em Portugal, para não andarmos ao sabor de estatísticas encobridoras de cifras negras e cinzentas? Quanto a esta última questão, não nos podemos esquecer que o Relatório Anual de Segurança Interna apenas nos dá conta da criminalidade participada, havendo muitos crimes que não são denunciados às entidades competentes (as famosas cifras negras), quer seja devido a uma certa retração, à publicidade negativa decorrente da participação, ou ao facto de se entender a denúncia como inútil, como tal apenas nos dá o retrato de uma parte do problema não fornecendo uma panorâmica geral da questão, logo uma visão distorcida, o que pode por em causa as políticas que são propostas em termos de prevenção e repressão da criminalidade.

Neste âmbito, está em curso o Inquérito sobre Segurança no Espaço Público e Privado do INE (ISEPP), o qual tem como principal objetivo obter dados sobre a prevalência e a caracterização de situações de insegurança que possam ter acontecido ao longo da vida à população residente em Portugal.

Trata-se de um inquérito harmonizado a ser implementado à escala da União Europeia. Os resultados permitirão fazer comparações entre os vários Estados-Membros sobre a extensão e natureza de fenómenos como: situações de insegurança vividas no espaço doméstico (com as pessoas que lhe são próximas); no espaço público (experiências de assédio no trabalho, assédio persistente e situações de insegurança vividas com outras pessoas fora do espaço doméstico); bem como experiências de vitimização em geral (assaltos, roubos, furtos, agressões).

Uma oportunidade para se fazer uma análise que vá para além das estatísticas, as quais “não nos dão senão um retrato difuso daquilo que pretendemos apreender”.

Sousa dos Santos

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

WOOK

%d bloggers like this: