Anúncios
está a ler...
Segurança

Polícias num país de brandos costumes

Há cerca de um ano, a Inspeção Geral da Administração Interna anunciou que polícias iriam ter um “manual” de boas práticas sobre direitos humanosfeito em colaboração com as escolas das forças e serviços de segurança”, incorporando “as melhores práticas policiais à luz da proteção dos direitos fundamentais“.

Passado um ano, ao que parece, o referido manual vai ser distribuído aos elementos das forças de segurança deste “país de brandos costumes, onde estes profissionais, não raramente, quando transpõem determinadas “fronteiras” e interferem com algumas atividades são alvo de arremesso de objetos, disparos de armas de fogo, agressões, injúrias, e coação.

Daquilo que sei todos os polícias têm formação em direitos humanos, nos cursos de ingresso e nos de progressão na carreira, além de pender sobre eles um acervo legislativo que os pune no plano disciplinar e criminal por decisões tomadas nalguns casos em frações de segundo. Contudo, concordo com mais este reforço, pois contribui para dissipar a imagem criada pela recente divulgação de um relatório do  Comité para a Prevenção da Tortura e dos Maus Tratos (CPT).

E os cidadãos em geral têm conhecimento dessa temática? Duvido, tendo em conta a forma como alguns se comportam em sociedade. Logo, acho que também nos bancos da escola (desde muito cedo) e mesmo em casa (quando possível) esta matéria deve ser alvo de abordagem aprofundada dado que os cidadãos estão em processo de formação, incluindo-se, como é óbvio, a distribuição de um manual sobre este assunto que considero de primordial importância.Wook.pt - Portugal à Lei da Bala

Assim, evitar-se-iam, além das agressões a polícias, o abandono e maus tratos a idosos, os distúrbios em superfícies comerciais para evitar o pagamento de compras, o abandono de animais, o arremesso de fraldas pela janela do carro em plena autoestrada e tantas outras incivilidades e crimes. Seria um bom investimento na prevenção do crime e da crispação social.

Voltemos ao país de brandos costumes. Foi colocado recentemente à venda o livro “Portugal à Lei da Bala“, de Luís Marinho e Mário Carneiro, onde se retrata a violência política no século XX, apresentando uma extensa cronologia dos períodos de violência política. Conclui-se que os portugueses são um povo de brandos costumes, mas com “períodos de exceção“.

Arrisco-me a acrescentar que o são na violência política e nas restantes dimensões, pelo que como já referi, às vezes é preciso parar, observar e analisar os problemas dos mais variados prismas e não transformar os polícias nos “bodes expiatórios” da sociedade em geral.

J.M.Ferreira

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Anúncios

WOOK

Anúncios
%d bloggers like this: