está a ler...
Segurança

Duplicação de generais na GNR

Nos últimos dias a Guarda Nacional Republicana (GNR) veio à tona mediática. Primeiro, foram as colocações por escolha dos sargentos. Depois, a aquisição de uma embarcação, apelidada pela imprensa de “megalancha” que terá deixado a Marinha em estado de sítio.

Agora, de acordo com uma notícia publicada pelo Correio da Manhã, o comandante-geral da GNR quer implementar um modelo de comando com um oficial general para cada mil militares, duplicando o número de oficiais com esta patente que assim passariam de 11 (n.º 5 do art.º 19-º da LO/GNR) para 22.

Três questões:

  • As vagas daqui decorrentes serão preenchidas por oficiais generais provenientes dos quadros das Forças Armadas (Exército) ou da GNR?
  • Quais as vantagens que decorrem desta medida?
  • Existe igual preocupação na admissão de efetivos para compensar as saídas para a reserva, a satisfação das necessidades em termos de recursos humanos para cumprir as missões e atribuições da Guarda nas diversas valências, e sobretudo nos Postos Territoriais (a primeira linha de garantia da segurança do cidadão)?

Na nossa perspetiva, achamos que deveriam, antes, ser criados grupos de trabalho para adaptar, ainda mais, a Guarda às realidades do século XXI (e.g. digitalização, novos modelos de policiamento, assunção do policiamento nalguns enclaves onde este ainda é assegurado pela PSP, modelos de carreira mais atrativos), relegando para o fim da lista a preocupação com a criação destas vagas que podem ser aproveitadas para denegrir a imagem da instituição [1].

Entretanto, continua sem ver a luz do dia a possibilidade de ingresso na categoria de oficiais aos sargentos que sejam detentores de mestrado em área científica de interesse para a Guarda, desde que complementado por curso de formação, bem como a criação do quadro superior de apoio. Além disso, ao contrário do que tem vindo a suceder nas Forças Armadas, aproveitadas como exemplo para justificar a criação dos novos lugares de oficial general, os sargentos enfermeiros continuam sem transitar para a categoria de oficial, após a frequência de curso adequado.

L.M.Cabeço

_____________________

[1] Sobre estas e outras questões conexas aconselho a leitura do “Livre blanc de la sécurité intérieure” disponível online e que se debruça sobre o modelo de segurança francês, relativamente próximo do nosso em termos de figurino organizacional.

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

WOOK

%d bloggers like this: