Anúncios
está a ler...
Segurança

Terrorismo – Acordo Portugal-EUA

O Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América (EUA) para a Troca de Informação de Rastreio do Terrorismo, assinado em Washington em 24 de julho de 2012, foi aprovado pela Resolução da Assembleia da República n.º 51/2013, publicada no DR 1ª Série de 11 de abril, e ratificado pelo Decreto do Presidente da República n.º 53/2013, da mesma data.

terrorismEm Portugal a questão do terrorismo é regulada pela denominada Lei de Combate ao Terrorismo (Lei n.º 52/2003, de 22 de Agosto)[1], a qual surgiu em cumprimento da Decisão Quadro n.º 2002/475/JAI, do Conselho, de 13 de Junho. Nos EUA merece especial relevo nesta matéria o “USA PATRIOT ACT” que foi aprovado a 26 de Outubro de 2001, na sequência dos ataques de 11 de Setembro.

Este Acordo estabelece os termos da cooperação entre Portugal e os Estados Unidos da América em matéria de partilha e utilização de informação de rastreio do terrorismo retirada da informação produzida pelos serviços de informações e pelas autoridades responsáveis pela aplicação da lei, apenas para efeitos de prevenção e combate ao terrorismo e às infrações relacionadas com terrorismo, tal como definido no direito interno das Partes e no direito internacional que lhes é aplicável.

Através deste instrumento pretende-se, pela via da cooperação, prevenir e enfrentar o terrorismo internacional com recurso à identificação atempada dos indivíduos conhecidos ou suspeitos de estarem, ou terem estado, envolvidos em atividades que constituem atividades terroristas ou atividades relacionadas com o terrorismo, bem como na preparação e no apoio às mesmas, incluindo a partilha de informação de rastreio de terroristas conhecidos ou suspeitos.

A informação de rastreio deverá incluir o nome completo do indivíduo, a data de nascimento, o número do passaporte ou de outro documento de identificação, bem como a nacionalidade/cidadania atual e anterior, se conhecida.

Podem, ainda, ser transmitidas informações adicionais (ex.º impressões digitais e fotografias) desde que tal seja permitido por lei e por decisão da Parte transmissora, com este tipo de informação pretende-se evitar o denominado síndrome “John Smith”, ou seja a identificação de alguém apenas com base no nome ou em fotografias, o que pode contribuir para relacionar com um ato terrorista alguém que afinal está inocente.

Relativamente à informação classificada, esta pode ser trocada ao abrigo de um acordo de segurança entre as Partes sobre proteção mútua deste tipo de informação.

Manuel Ferreira dos Santos

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Anúncios

WOOK

%d bloggers like this: