Anúncios
está a ler...
Justiça, Segurança

Lei Tutelar Educativa

De acordo com o código penal português os menores de 16 anos são inimputáveis, aplicando-se aos menoresdeljuv com idade compreendida entre os 12 e os 16 anos, quando pratiquem facto qualificado pela lei como crime, a Lei Tutelar Educativa (LTE).

A LTE datava de 1999 (Lei n.º 166/99, de 14 de setembro), tendo-se começado a pensar na sua revisão em 2010. A este propósito, na altura, o Observatório Permanente da Justiça Portuguesa (OPJ), recomendou a elaboração de um Plano Nacional de Prevenção da Delinquência Juvenil e a criação de condições para a sua plena e efetiva aplicação prática, bastando para o efeito algumas mudanças e clarificações de determinadas disposições.

Entretanto, em março de 2014, iniciou-se este processo com o debate de quatro propostas de revisão da LTE, as quais incidiam sobre os seguintes aspetos:

  • Aumento de três para seis meses, da duração mínima da medida de internamento de jovens em regime aberto e semiaberto;
  • Criação de unidades residenciais de transição para jovens saídos de centros educativos;
  • Dispensa de denúncia por parte do ofendido para a intervenção tutelar educativa;
  • Eliminação da autorização do menor para a submissão a medida de tratamento;
  • Criação de uma medida de apoio ao regresso do menor ao meio natural de vida, após o internamento;
  • Criação de equipas multidisciplinares no acompanhamento de delinquentes menores;
  • Submissão a consultas periódicas de acompanhamento psicológico.

O processo legislativo culminou com a publicação da Lei n.º 4/2015, de 15 de janeiro, a qual procede à primeira alteração à Lei Tutelar Educativa, aprovada em anexo à Lei n.º 166/99, de 14 de setembro, da qual, entre outras, constam as seguintes medidas inovatórias: o cúmulo jurídico quando for aplicada mais do que uma medida de internamento ao mesmo menor, sem que se encontre integralmente cumprida uma delas; a possibilidade de os serviços de reinserção social celebrarem acordos de cooperação com entidades particulares, sem fins lucrativos, com experiência reconhecida na área da delinquência juvenil, para a execução de internamentos em regime aberto, semiaberto e fechado; e a criação (em termos a definir) de unidades residenciais de transição destinadas a jovens saídos de centro educativo.

A esta alteração não será estranha as dimensões que a questão da delinquência juvenil tem vindo a assumir nos tempos mais recentes e a sensação de uma certa incapacidade de lidar com o fenómeno quando a prevenção falha e os jovens caem nas malhas do crime.

O diploma entra em vigor 30 dias após a data da sua publicação e está previsto no mesmo que o Ministério da Justiça apresenta anualmente à Assembleia da República um relatório que, mediante recolha de informação junto dos contextos comunitários e sociofamiliares dos menores que cumpriram medida tutelar educativa de internamento em centro educativo e, no respeito pelos consentimentos devidos, designadamente dos referidos menores e respetivos representantes legais, permita aferir dos percursos seguidos pelos mesmos após o cumprimento daquela medida e, bem assim, da eventual ocorrência de reincidência.

J.M.Ferreira

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Anúncios

WOOK

%d bloggers like this: