Anúncios
está a ler...
Segurança

Polícias – direito à greve

Nos termos da lei que regula o exercício da liberdade sindical e os direitos de negociação coletiva e de participação do pessoal da Polícia de Segurança Pública (PSP), o pessoal com funções policiais não pode exercer o direito à greve.polícias

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, na sequência do caso Junta Rectora Del Ertzainen Nazional Elkartasuna (ER.N.E.) v. Spain, também considerou  que os polícias não podem exigir o direito à greve, em nome da segurança pública, à semelhança daquilo que acontece Portugal.

O facto de prestarem um serviço contínuo e de andarem armados distingue-os dos outros funcionários públicos, tais como os juízes ou os médicos, está na génese da proibição do direito à greve, pois poderiam ser postos em causa os interesses do Estado, nomeadamente a segurança nacional, a manutenção da ordem e da tranquilidade pública.

Agora resta saber qual a forma de compensar essa distinção em relação aos restantes funcionários públicos quando se tem rumado em sentido contrário.

Para não ser muito fastidioso acerca deste “rumo” lembro apenas o projeto de Estatuto Profissional com que o pessoal da Polícia de Segurança Pública foi recentemente brindado e a necessidade do militares da Guarda Nacional Republicana terem de recorrer a Tribunal por causa dos cortes que sofrem no vencimento quando transitam para a reforma, o qual não se aplica aos militares das Forças Armadas.

Sousa dos Santos

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Anúncios

WOOK

%d bloggers like this: