Anúncios
está a ler...
Defesa

Defesa – frenesim legislativo

No âmbito de um verdadeiro frenesim legislativo de final de ciclo, tem vindo a ser publicado um vasto acervo deSegurança e Defesa Nacional diplomas legais na área da defesa nacional, devido à sua importância não poderíamos deixar de os mencionar.

Procede à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 296/2009, de 14 de outubro, que aprova o regime remuneratório aplicável aos militares dos quadros permanentes e em regime de contrato e de voluntariado dos três ramos das Forças Armadas, adaptando a tabela remuneratória e as equiparações para efeitos de atribuição do abono por despesas de representação à nova estrutura orgânica das Forças Armadas.

Procede à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 130/2010, de 14 de dezembro, que aprova o regime de contrato especial para prestação de serviço militar, fixando o limite etário máximo legalmente admissível para ingresso nesta forma de prestação de serviço dos capelães destinados ao Serviço de Assistência Religiosa das Forças Armadas e das Forças de Segurança

Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Com este decreto regulamentar define-se a missão da Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional, as suas atribuições e o tipo de organiza- ção interna, numa lógica que visa dotar os serviços com os meios necessários de forma a permitir-lhes responder eficazmente aos seus atuais desafios.

Aprova a orgânica do Instituto de Defesa Nacional, a qual está em consonância com o dever do Estado em garantir a existência de centros portugueses de formulação estratégica onde se possam concentrar a investigação, a formação, o debate e a divulgação sobre a segurança e a defesa nacionais.

Aprova a orgânica da Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional. Estabelece a missão, as atribuições e o tipo de organização interna desta Direção, definindo ainda a dotação de lugares de direção superior e de direção intermédia de 1.º grau e o estatuto remuneratório dos chefes das equipas multidisciplinares.

Aprova a orgânica da Inspeção-Geral da Defesa Nacional (IGDN), onde se adota, no que se refere ao tipo de organização interna, o modelo estrutural misto, tendo sido acolhida a estrutura matricial na vertente operacional. No que se refere à missão e às desta inspeção, preconiza-se uma perspetiva sistémica, preventiva e pedagógica, em particular no que concerne ao acompanhamento e avaliação permanentes da execução das políticas na área da defesa, procurando-se a consolidação da IGDN enquanto serviço de apoio à governação.

Aprova a orgânica da Marinha, com alterações ao nível do Estado-Maior, Comando Naval, Superintendência do Pessoal, regulamentação da Superintendência das Tecnologias da Informação e da Inspeção-Geral da Marinha, terminando com a publicação em anexo do Estatuto da Academia de Marinha e da regulamentação do Sistema de Formação Profissional da Marinha.

Aprova a orgânica do Exército. Estabelece a organização e competências das estruturas principais do Exército, e fixa as competências dos respetivos comandantes, diretores ou chefes.

Aprova a orgânica da Força Aérea. Desenvolve a reorganização da estrutura orgânica da Força Aérea, designadamente pela adequação das atribuições, competências e organização da sua estrutura interna à extinção do Comando de Instrução e Formação da Força Aérea, às alterações decorrentes da reforma do sistema de saúde das Forças Armadas e à criação da Autoridade Aeronáutica Nacional.

Aprova a orgânica do Estado-Maior-General das Forças Armadas, estabelecendo a organização e competências das estruturas principais do EMGFA.

Aprova a orgânica da Direção-Geral de Política de Defesa Nacional. Mercê da qual mantem as suas competências tradicionais na área das relações externas e da cooperação internacional de defesa, incluindo a cooperação técnico-militar, assumindo novas responsabilidades de natureza interna no domínio da política de defesa nacional, pelo que a sua estrutura orgânica teve de ser ajustada a esta nova realidade.

No âmbito da Defesa Nacional, José Magalhães publicou um livro intitulado “Submarinos.pt”, realcionado com o denominado “caso dos submarinos” onde se procura desfazer as dúvidas, “revelando em primeira mão factos e textos que os cidadãos foram impedidos de conhecer, fosse pelo sistemático uso do segredo, fosse pela eliminação cirúrgica de documentos comprometedores”.

J.M.Ferreira

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Anúncios

WOOK

%d bloggers like this: