Anúncios
está a ler...
Justiça, Segurança

Ameaça de “balázio”

I

Resultado de imagem para ameaçasNos termos das disposições conjugadas do Estatuto do Militar da Guarda Nacional Republicana (GNR) e do Regulamento de Disciplina da GNR (aplicáveis aos oficiais, sargentos e guardas, em qualquer situação estatutária), o militar desta força de segurança de natureza militar deve comportar-se de acordo com a dignidade da sua função e posto mesmo fora dos actos de serviço; abster-se de exercer actividades incompatíveis com o seu grau hierárquico ou decoro militar; e, ainda, abster-se de fazer declarações que afectem a coesão e o prestígio da Guarda ou violem os princípios da hierarquia e da disciplina. Ao mesmo tempo, está sujeito ao dever de correção que se consubstancia no trato respeitoso com o público em geral e entre militares, independentemente da sua graduação, tendo sempre presente que as relações a manter se devem pautar por regras de cortesia, justiça, igualdade, imparcialidade e integridade.

II

Por sua vez, o Código Penal, no seu art.º 153.º, determina que “quem ameaçar outra pessoa com a prática de crime contra a vida, a integridade física, a liberdade pessoal, a liberdade e autodeterminação sexual ou bens patrimoniais de considerável valor, de forma adequada a provocar-lhe medo ou inquietação ou a prejudicar a sua liberdade de determinação, é punido com pena de prisão até 1 ano ou com pena de multa até 120 dias”, podendo ser agravado desde que se verifiquem os pressupostos do art.º 155.º do mesmo Código, e o procedimento criminal depende de queixa.

III

Um Acórdão, de 07/03/2017, do Tribunal da Relação de Évora, debruça-se sobre esta temática, tendo-se decididoWook.pt - Segurança Horizonte 2025 que «a expressão “essa multa que me está a passar vai pagá-la duas ou três vezes mais cara ou então com um balázio nesses cornos”, dirigida pelo arguido, militar da GNR, ao ofendido, também militar da GNR (que está nesse momento a autuar o arguido), é adequada a causar medo, inquietação e receio pela integridade física e vida, e consubstancia um crime de ameaça».

Como se refere no aresto, “o arguido coloca em causa o exercício das funções dos militares da Guarda Nacional Republicana, a quem, por ser militar da Guarda Nacional Republicana em situação de reforma, era exigível (em termos bastante mais acentuados do que a um cidadão comum) que se comportasse de forma urbana e correcta com os seus colegas de profissão, abstendo-se de praticar crimes”.

Logo, ao ser “elaborado um auto de contra-ordenação, em perfeito acordo com as disposições legais, considerando que o arguido não podia estacionar no local onde o fez – daí que os militares estivessem a agir em conformidade – ao arguido só lhe competia acatar a conduta dos militares e, sendo caso disso, reagir através dos meios legais ao seu dispor”.

Sousa dos Santos

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Anúncios

WOOK

%d bloggers like this: