Anúncios
está a ler...
Proteção Civil, Segurança

Catástrofes – tempo de mudança

E num ápice a cidade da Beira, em Moçambique, quase foi varrida do mapa pelo ciclone Idai. Este tipo de ciclones, segundo Pedro Garret “são o resultado da emissão desproporcional de emissões de gases com efeito de estufa para a atmosfera”, estando relacionado com tendência global das alterações climáticas. As consequências nesta cidade moçambicana foram catastróficas e ir-se-ão prolongar no tempo. O Governo português reagiu, mas na nossa perspetiva, fê-lo tarde, devia ter jogado na antecipação, afinal trata-se de um país lusófono ao qual estamos unidos há séculos por laços de sangue e onde residem e têm interesses económicos cidadãos portugueses. Esperamos que a concretização da solução adotada consiga ofuscar a sensação de tibieza inicial.

Se em Moçambique a catástrofe foi originada pelos ventos ciclónicos e pelas chuvas diluvianas, em Portugal continental perspetiva-se um período de seca cujos efeitos se farão sentir em diversos patamares, desde logo no abastecimento de água à população em geral, mas também na agricultura e na indústria.  Acresce que esta diminuição da pluviosidade vem acompanhado de um aumento da temperatura em cerca de 0,2 graus a cada década que passa.

O ciclo da catástrofe [1]

Ciclo da catástrofe

Como bem sabemos, a seca, conjugada com outros fatores tais como má gestão das florestas ou a construção de habitações na sua proximidade, cria um ambiente propício para a deflagração de incêndios rurais, basta recordar o que aconteceu nos últimos anos em Portugal e noutros países da Europa onde este tipo de catástrofe não era muito vulgar, nomeadamente nos países bálticos e nos nórdicos.

Não restam dúvidas que as catástrofes de origem natural ou antrópica são cada vez mais frequentes, extremas e revestem-se de especial complexidade cujas consequências em termos humanos, ambientais, sociais e económicos têm uma ordem de grandeza desconhecida.

Por isso, além da implementação de medidas estruturais de combate às alterações climáticas, tanto no plano interno, como no âmbito da União Europeia e no espaço lusófono, temos cada vez mais de estar preparados para dar uma resposta no domínio da proteção civil (e outros conexos) a eventos catastróficos, de forma imediata, adequada, eficaz, sem hesitações, nem tibieza.

Manuel Ferreira dos Santos

__________________________________________

[1] O ciclo da catástrofe – nesta matéria são possíveis diversas abordagens, o ciclo apresentado tem por base Lemieux, Frédéric, DÉSASTRES ET CRISES MAJEURES : LE DYSFONCTIONNEMENT DU SYSTÈME, Traité de Sécurité Intérieure, Éditions Hurtubise HMH ltée, Montréal (Québec), 2007,  p. 585 e ss, e Ulrich Boes numa apresentação a propósito do National PSI Meeting 2008, Sofia, Bulgaria. (Grafismo de Miguel Silva).

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Anúncios

WOOK

Anúncios
%d bloggers like this: