Anúncios
está a ler...
Defesa, Justiça, Segurança

Segurança, Justiça e Defesa – Grandes Opções do Plano 2013

Encontra-se na Assembleia da República a Proposta de Lei 100/XII, de 04 de outubro de 2012, relativa às Grandes Opções do Plano para 2013. Dessa proposta extraímos as partes relativas às áreas da Administração Interna, Justiça e Defesa que consideramos mais importantes.

    1. Administração Interna

a. Prioridades do Governo

          • Melhoria da eficiência da atividade operacional;
          • Redução da complexidade das estruturas das forças de segurança e demais serviços do Ministério da Administração Interna (MAI);
          • Reforço dos laços de proximidade com a sociedade civil;
          • Reorganização das Forças de Segurança (especialização, eliminação de sobreposições e conflitos de competências).

b. Para o efeito pretende:

          • Alterar das leis orgânicas e estatutos da Polícia de Segurança Pública e da Guarda Nacional Republicana, com o objetivo de reduzir o peso burocrático na utilização dos recursos e de incrementar a eficiência dos procedimentos;
          • Promover a integração operativa do sistema de segurança interna através da completa informatização dos postos e esquadras da GNR e PSP, da ligação integral à Rede Nacional de Segurança, e do sistema de articulação entre Órgãos de Polícia Criminal;
          • Promover a simplificação e racionalização de processos, da contenção da despesa e da rentabilização dos recursos disponíveis, por forma a concentrar recursos na capacidade operacional;
          • Reforçar a segurança comunitária com o envolvimento da sociedade civil, especialmente em zonas e comunidades urbanas sensíveis;
          • Executar um plano estratégico e operacional para o inter-relacionamento entre os organismos responsáveis pela prevenção e combate às situações de emergência e o Serviço 112, em particular através do desenvolvimento do Centro Norte do 112, permitindo, assim, desligar as centrais manuais da PSP;
          • Reforçar a atuação do Estado na área da segurança privada através da regulamentação e do controlo da atividade
          • Adotar medidas operacionais que reduzam as redundâncias e aumentem a resiliência do sistema de segurança interna (informações, segurança pública, investigação criminal, estrangeiros e fronteiras e proteção civil);
          • Reforçar e renovar os dispositivos da GNR e da PSP, avaliando-se as situações de reserva e de aposentação, e libertando-se recursos humanos de áreas administrativas, judiciais e burocráticas, afetando-se o máximo de efetivos nas valências operacionais e no policiamento de proximidade;
          • Requalificar as infraestruturas e equipamentos da Administração Interna através do estabelecimento de uma parceria com a Administração Local, tendo em vista o melhor aproveitamento de Fundos Comunitários;
          • No contexto da política de Imigração e Controlo de Fronteiras, reforçar as parcerias internacionais na área da gestão dos fluxos fronteiriços, prosseguindo-se a luta contra a imigração clandestina e o tráfico de seres humanos;
          • Reforçar o combate à sinistralidade rodoviária;
          • Simplificar e racionalizar dos processos de contraordenações rodoviárias;
          • Reforçar o sistema de proteção civil intensificando o aproveitamento de sinergias operacionais entre ministérios responsáveis pelas áreas da segurança interna, da justiça, da defesa nacional, da administração local e da saúde, sendo de destacar a integração, num único dispositivo, de meios aéreos das missões de prevenção e combate a incêndios florestais e o helitransporte de doentes urgentes/emergentes, com vista à promoção de economias de escala e redução de custos;
          • Assegurar aos corpos de bombeiros as condições adequadas ao seu bom desempenho, nomeadamente de equipamentos e instalações.

2. Justiça

          • Aprovação de um conjunto de diplomas de reestruturação do sistema de justiça (v.g. Lei de Organização e Funcionamento do Sistema Judiciário);
          • Operacionalização de toda uma nova estrutura de organização dos tribunais judiciais de 1ª Instância;
          • Alterações aos Estatutos Profissionais de Magistrados Judiciais, Magistrados do Ministério Público, carreiras de Oficiais de Justiça, enquadramento da atividade dos Agentes de Execução;
          • Gestão do sistema judicial em função de objetivos, preferencialmente quantificados;
          • Reforço da resposta do sistema de Justiça (equipas especiais);
          • Conclusão do processo de revisão do Processo Civil;
          • Aumento da transparência do regime do acesso ao direito, e introdução de melhorias reais no regime do apoio judiciário;
          • Melhoria da coordenação entre os meios e estruturas de resolução alternativa de litígios e a própria organização judiciária;
          • Combate à corrupção, crime económico, enriquecimento ilícito e reforço da justiça penal;
          • Reforma sistémica do Código Penal e do Código do Processo Penal, num processo que deverá iniciar-se em 2013;
          • Confirmação do papel de uma polícia de investigação criminal especializada na investigação de crimes de maior complexidade (Polícia Judiciária);
          • Continuação do processo de revisão do Código do Procedimento Administrativo, do Estatuto dos Tribunais Administrativos e Fiscais e do Código do Processo dos Tribunais Administrativos e Fiscais;
          • Desenvolvimento do novo regime jurídico do processo de inventário.

3.  Defesa Nacional

          • Executar medidas e ações que garantam maior eficiência e eficácia, que permitam encontrar o equilíbrio entre os recursos disponíveis e as necessidades das Forças Armadas, libertando recursos onde eles são menos necessários, para os alocar onde realmente fazem falta;
          • Desenvolver o processo de reorganização da Estrutura Superior da Defesa Nacional e das Forças Armadas, orientada para o incremento, coordenação e exploração de sinergias entre as diferentes estruturas;
          • Prosseguir o caminho decorrente da revisão e aprovação do Conceito Estratégico de Defesa Nacional, iniciando, de forma sequente, coerente e célere, a revisão do Conceito Estratégico Militar, das Missões das Forças Armadas, do Sistema de Forças Nacional e do Dispositivo de Forças;
          • Apoiar a Política Comum de Segurança e Defesa, incluindo as vertentes de Investigação e Desenvolvimento e da Indústria;
          • Continuar o desenvolvimento do processo de transferência da Escola de Comunicações e de Sistemas de Informação da NATO para Portugal, assegurando a plena participação nacional no processo de transformação da Aliança;
          • Manter o esforço nacional em missões humanitárias e de paz, sob a égide de organizações internacionais, através do empenhamento das Forças Armadas Portuguesas, dando continuidade ao compromisso com a segurança e a estabilidade internacionais;
          • Reforçar as relações, bilaterais e multilaterais, com os Países de Língua Oficial Portuguesa, seja no domínio da Cooperação Técnico-Militar, seja no apoio à Reforma do Sector da Segurança, havendo abertura para dar continuidade à integração de contingentes militares de Países de Língua Portuguesa nas Forças Nacionais Destacadas, tal como sucedido com Timor-Leste (na UNIFIL, no Líbano), e com Moçambique (na operação ATALANTA, no Índico);
          • Intensificar as relações externas de Defesa e o relacionamento: com os nossos aliados e parceiros, destacando-se a relação estratégica privilegiada com os EUA; com a região do Mediterrâneo e do Magreb; bem como com parceiros atuais e potenciais na área da Economia de Defesa;
          • Realizar ajustamentos nos Estabelecimentos Militares de Ensino não superior, desenvolvendo e consolidando medidas de integração e otimização de recursos iniciadas em 2012;
          • Reestruturar os Estabelecimentos Fabris do Exército;
          • Dar início à atividade do Polo de Lisboa do Hospital das Forças Armadas, e continuar a avaliação da reforma do sistema de Saúde Militar;
          • Reduzir o custo anualmente suportado pela Assistência na Doença aos Militares, em linha com o estabelecido nos acordos internacionais celebrados;
          • Desenvolver o processo de criação do “balcão único” de apoio aos Antigos Combatentes e aos Deficientes das Forças Armadas;
          • Rever as Leis de Programação Militar (LPM) e de Programação de Infraestruturas Militares (LPIM);
          • Reestruturar do sector empresarial da Defesa;
          • Prosseguir os esforços de coordenação com outros Ministérios em áreas onde o aproveitamento de capacidades e de sinergias pode potenciar e reforçar a capacidade de resposta nacional perante diversas situações de interesse público e das populações;
          • Racionalizar as estruturas e recursos, tendo em vista maior eficácia e eficiência das Forças Armadas, pretende igualmente aprofundar o conceito de umas forças armadas ao serviço das pessoas.

Gomes Lopes

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Anúncios

WOOK

Anúncios
%d bloggers like this: