Anúncios
está a ler...
Ambiente, Catástrofes, Proteção Civil, Segurança

De Chernobyl a Almaraz

A produção de energia nuclear apresenta como aspetos positivos, o processo de conversão mais eficiente, a diminuição da emissão de gases para a atmosfera, o aumento do número de empregos na zona de instalação das centrais; e como aspetos negativos principais, o elevado risco de acidentes com consequências muito nocivas para o planeta, elevados custos financeiros no que respeita à sua construção e manutenção, a longevidade do lixo atómico (240 mil anos) e as preocupações em torno do seu armazenamento, a libertação de radiações em caso de acidente.

Em matéria de acidentes desta natureza, não se pode deixar de mencionar o caso de Chernobyl, ocorrido a 26 de Abril de 1986, com a explosão de uma central nuclear, mercê da qual foram enviadas 190 toneladas de urânio radioativo e grafite para a atmosfera, obrigando à retirada de 120 mil pessoas de uma região correspondente a uma zona de 30 quilómetros ao redor da central. O reator nuclear ardeu durante dez dias, e os materiais radioativos viajaram com a chuva e com o vento para zonas longínquas da Rússia, Bielorrússia e Ucrânia. Como resultado direto do acidente morreram 32 pessoas a combater o incêndio que se seguiu e outras 38 morreram, nos meses seguintes, na sequência das radiações de que foram alvo. De seguida a radioatividade espalhou-se por todo o Norte da Europa, onde muitos animais e plantas passaram a registar maior radioatividade. A população que reside nas áreas limítrofes vive ameaçada, por doenças ou pela discriminação, tendo aumentado o número de casos de cancro da tiróide (especialmente nas crianças), problemas do coração ou deformações congénitas.

Sobre esta questão Svetlana Aleksievitch publicou a obra “Vozes de Chernobyl – História de um desastre nuclear”, onde “dá voz a centenas de pessoas que viveram a tragédia: desde cidadãos comuns, bombeiros e médicos, que sentiram na pele as violentas consequências do desastre, até as forças do regime soviético que tentaram esconder o ocorrido. Os testemunhos, resultantes de mais de 500 entrevistas realizadas pela autora, são apresentados através de monólogos tecidos entre si com notável sensibilidade, apesar da disparidade e dos fortes contrastes que separam estas vozes”.

Neste momento França é a campeã nuclear da Europa, tendo cerca de 80% da eletricidade gerada por energia nuclear. Estima-se que a nível mundial, a breve trecho sejam construídas cerca de 200 novas centrais.

Portugal não dispõe de nenhuma central nuclear, embora Espanha disponha de várias, estando uma delas, a de Almaraz, a cerca de 100 Km da fronteira portuguesa, podendo o território português ser afetado em caso de acidente. Além de outros registados anteriormente, esta central desde o início de fevereiro tem vindo a apresentar alguns problemas, tendo o Conselho de Segurança Nuclear de Espanha alertado para “falhas no sistema de arrefecimento de serviços essenciais da central nuclear” e referido que não havia “garantias suficientes de que as bombas de água do sistema de serviços essenciais operem com normalidade”. Por sua vez a Agência Portuguesa do Ambiente apressou-se a dar nota à imprensa da receção de garantias de que existem condições de segurança.

No passado fim-de-semana ocorreu mais uma avaria, trata-se de uma central dos anos 80, das mais antigas da Europa, com registo de vários incidentes que tem estado na base de diversas paragens de funcionamento, recorde-se que o tempo de vida útil de uma infraestrutura desta natureza varia entre os 20 e os 40 anos. A Quercus já a classificou como uma “bomba-relógio”, e segundo a Greenpeace terá chumbado num teste de resistência pedido pela Greenpeace, evidenciando a falta do mesmo tipo de válvulas que permitiu o acidente em Fukushima, Japão.

Esperemos que impere o bom senso e que Chernobyl ou Fukushima não se repita em Almaraz, mais uma vez recordo a 100 km da fronteira portuguesa e num rio internacional ibérico que tão mal tratado tem sido.

Sousa dos Santos

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Anúncios

WOOK

%d bloggers like this: